2 de julho de 2015

engulo as lágrimas. aguento os suspiros, e dentro de mim o meu peito soluça. faço-me de forte, e murmuro "tá tudo bem." mas nada está bem. e quando eu vou assumir isso? 


Sem comentários: