14 de agosto de 2013

idas.



acreditavas se eu dissesse que ainda penso em ti?! tenho a certeza que não, mas a verdade é que sim, que ainda hoje, mesmo que poucas vezes, me roubas o pensamento como se nunca tivesse deixado de ser teu, e eu não consigo parar de pensar "e se...". 
e se tivesse tentado mais. a realidade é que de inicio tu não me deixaste entrar, depois quando quiseste quem não quis fui eu. minha culpa ou tua? talvez minha por te querer mais quando não podia ter, como o fruto proibido. consegui conquistar-te como sonhei tantas vezes e depois abandonei-te enquando me dizias, lembro-me como se fosse ontem, "acho que és a tal...". e eu nem quis saber. 
segui em frente e na altura parecia-me o certo, achei que não eras assim tão importante no meu coração. egoista ou não foste alguém que me fez esquecer tantas outras tristeza, outro abandono. e fiz-te eu a seguir o mesmo. salvaste-me de algo que foi a tua ruína.
mas a verdade é que, castigo ou ironia do destino, eu ainda penso em ti e tenho saudades tuas. quem me dera ter feito as coisas de forma diferente. ter guardado um pouco de ti no meu coração, ainda ter o teu contacto e falar contigo mesmo que esporadicamente. ter feito as coisas de forma muito diferente, não te ter magoado assim tão de caras, de uma forma tão fria que hoje até me faz pensar que talvez eu nem seja boa pessoa. ignorei os teus sentimentos, e pelos vistos os meus também. devia-te ter guardado aqui.
magoei-te. mandei-te embora. tu foste, e fiquei eu aqui. 

Sem comentários: