26 de outubro de 2010

pum-pum. era assim o bater do meu coração, abraçaste-me e molhaste-me com a gelada água da nossa casa, abraçaste-me e disseste-me que respirasse contigo. pensavas tu que era o suficiente para me manter cá, choraste e pediste para eu não desistir, mas acredita que eu pensei em desistir porque afinal de contas o facto de o meu coração querer-me saltar do peito era minha. tive tanto medo, meu amor.
medo de te deixar, medo de morrer. 
levaste-me para a casa de banho e com as minhas amigas, fizeste-me vomitar, pediste-me que me acalmasse, e quando me encostei nos azulejos frios da parede vi o medo dos teus olhos. olhei para o espelho e eu não era mais eu, era alguém que lutava pela vida, mas alguém que queria desistir porque assusta demais termos a morte do nosso lado.
levaste-me ao hospital, perdi os sentidos e pensei já não estar neste mundo, pegaste na minha mão e colocaste-a no teu peito e pediste-me que eu respirasse contigo, que ordenasse ao meu coração que se acalmasse. mas nada meu amor, nada fazia ele acalmar, parecia um cavalo solto pelos pastos verdes. e eu queria entregar-me, mas não te queria deixar porque sabia que sem mim, tu não ias aguentar. 
e foi, talvez, esse amor que fez o meu coração abrandar e voltar a ser normal, foi isso que me fez ver ao espelho a antiga Adriana. 
e esta é uma história verídica que me ia custando a vida, por culpa minha. porque misturei comprimidos e álcool, porque fui irresponsável e simplesmente esqueci-me, e esse esquecimento ia-me custando a vida.
por isso, peço a todos que leram este texto que zelem pela sua. eu tive a minha quase a ir, e foi ai que eu vi a magia de tudo, e que de facto, a vida tem muitas coisas boas. 

2 comentários:

RuteRita disse...

que lindooo*

Paulo disse...

"Que lindo" ! Acho MUITO pouco lindo este acontecimento. Para quem gosta assim tanto de escrever (que não condeno) e ainda tem a CORAGEM de escrever tamanha IRRESPONSABILIDADE neste blog!!! Acho além de hipócrita, uma atitude bastante indigna, e espero mesmo que a protagonista deste texto, se lembre bem do que passou no hospital, para que não volte a acontecer, porque, há coisas na vida que só acontecem uma vez e não tem retorno. Ainda bem que tudo correu bem, mas lembre-se Adriana, da próxima pode não correr tão bem. Sim, porque não foi o amor que a salvou!! Foi ter ido a tempo para as mãos dos médicos e enfermeiros!
"Comete todos os erros, mas comete-os apenas UMA vez!"