13 de setembro de 2010

Viviana.

pois é, cá estás tu com um pé lá fora e outro cá, a fazer uma das espargatas mais difíceis da tua vida. a tua mente e imaginação provavelmente já vagueiam no meio do oceano atlântico, já sonhas com as tuas futuras ambições que, certamente, vais agarrar de unhas e dentes e pelas quais vais lutar até não puderes mais, sempre sonhaste. desde que te conheço que te ouço entre suspiros e desejos falares da tua vida académica, daquilo que querias fazer futuramente e acima de tudo como o querias fazer, sempre pelo melhor, sempre pela força que sempre foi a tua maior aliada. a nossa amizade sempre foi como as marés, como tu própria disseste, umas vezes maré baixa e outras vezes maré alta, tão alta que quase afogávamos os outros, mas sempre com água, e essa água simboliza a nossa amizade. ás vezes turva, outras vezes tão transparente que nem se via. baixa ou alta ela viveu sempre entre nós, no mundo que criámos entre nós, repleto de sorrisos, piadas, conversas, fotografias, roupas, penteados, comidas e até lágrimas, discussões e pontos de vista distintos. muitas vezes só faltou puxarmos o cabelo uma à outra, mas como miúdas vaidosas que somos não o fizemos :)
e como verdadeiras amigas voltámos sempre uma para a outra, e muitas vezes foste o meu porto de abrigo e sei que hoje continuas a ser, e irás continuar. isto não é um Adeus, é um Até já. vais-te despedir de muitas pessoas, e como sei como és, sei que te vais desfazer em lágrimas, que lá fora num mundo diferente onde ninguém ou quase ninguém te pode dar a mão tu vais desesperar algumas vezes e vais ter saudades, mas com a tua magia vais criar muitas amizades por lá, porque te está no sangue. corre-te nas veias a bondade e o companheirismo que tens, vai-te em direcção ao coração e mesmo que, por vezes, não o queiras tu não podes fugir de quem és. não consegui ter o mesmo sucesso que tu, mas a minha felicidade multiplica-se por nós as duas, porque apesar de eu não ir, tu levas o meu sonho contigo e um bocadinho de mim, e deixas também um bocadinho de ti em todo o lado por onde andaste. sente saudades mas nunca desistas dos teus sonhos. vais estar longe das tuas raízes, mas és semente de uma flor que ainda está a desabrochar, e as flores minha querida, criam raízes em qualquer lado. 



2 comentários:

inês zép disse...

muitíssimo obrigada! e sim, é bastante difícil perder um amigo assim, desta maneira.
escreves realmente muito bem, adorei este texto :)
beijinho *

RuteRita disse...

Está fantástico !