2 de setembro de 2010

smoking the last cigarette.

- quando dei por mim já ele me havia tomado entre os braços, já me havia feito sua. quando dei por mim já não era eu, tinha-o deixado de ser já fazia algum tempo. tinha deixado de ser o diamante bruto que muito ousadamente tinha-me atentado a ser. uma luta contra o normal e habitual, uma luta que tinha travado contra mim mesma. um grito de alerta a mim mesma que dei quando deixei de ser aquilo em que os outros acreditavam. sempre foram os outros, as razões pelas quais eu mantinha a postura e a elegância, de uma bela mulher sempre bem. verdadeiramente eu queria ser aquilo que nunca ninguém se atreveu a ser, nem mesmo a minha mãe, a mulher que eu mais admirava. talvez eu a admirasse tanto por saber que ela queria ser outra pessoa e conseguiu aguentar tanto tempo a ser o que os outros queriam, mas eu não sou assim. eu não consigo. feliz ou infelizmente? eis a questão. uma vida inteira baseada em procura, procura de respostas e também de perguntas, para que não ficasse sem fazer nada. quem era eu afinal? um ser desigual ou igual? uma mulher ou um homem? um homem numa casca de mulher? oh, tantas perguntas e tão poucas resposta. mesmo depois de me encontrar voltei a perder-me. perdi-me tantas e tantas vezes que lhes perdi a conta, nem os dedos dos pés nem das mãos são suficientes para contar, e se juntar o planeta todo? continua a ser insuficiente. por isso já estão a ver as vezes que foram, não se chateiem com isso. aí está a beleza da "coisa", encontrar-se e perde-se quase simultaneamente. 
acendi mais um cigarro, "o último" juro a mim mesma mas sei que é mentira, e encontro-me na ponta latejante dele, perdendo-me nas cinzas que ele vomita. começando assim a minha interminável busca. 






ps- todo este texto é pura imaginação, não tem haver comigo mesma :)

6 comentários:

ana neves disse...

ai , tão querida ! e que bonito que isto está $:

sou boa pessoa pra quem merece (:

tambem deves ser sensivel como eu , não ? *.* ( sim , eu acho que todas as pessoas peixes tem as mesmas qualidades e defeito que eu :D )

RuteRita disse...

Mesmo lindooo

Filomena disse...

muito lindo :)

L' disse...

Muito bonito *.*

Danii disse...

És tu e eu :)
Adorei o texto querida *

m. disse...

realmente não faz sentido fingirmos ser algo que não somos , simplesmente para agradar . gostei (: às vezes a irreverência acaba mesmo por compensar