20 de agosto de 2010

Pedro

a verdadeira beleza daquilo que vivemos está em cada vez que a tua pele roça a minha é quase como se roçasse a minha alma. é como se todos os dias me fizesses apaixonar-me por ti cada vez mais, já fazes parte da minha vida, aliás, já antes fazias. mesmo antes de termos colado os nossos corações considerava-te alguém importante para mim, procurava-te e ver-te fazia-me feliz. em ti encontrei alguém tão diferente, tudo aquilo que eu procurava, eras a última pessoa na qual eu pensei encontrar isso tudo. desculpa por ter duvidado de ti e da tua personalidade de anjo, da tua entrega total.ás vezes apetece-me agradecer-te durante horas por fazeres por mim tudo, até mais do que eu mereço. o que me seduziu não foi a tua casca, mas o teu interior. a tua alma e o teu coração. quando eu estava de rastos e com o coração despedaçado por causa de outro foste tu! foste tu que me disseste 'eu sei o que isso é'. e deste-me um à vontade gigante, e assim eu parei de me sentir a única no mundo com o problema que eu tinha. nessa altura todos me pareciam hércules, porque todos conseguiam ultrapassar os problemas e voltar a sorrir enquanto que eu continuava presa a um passado que transparecia na minha cara, estava à vista de todos. mas acho que tu foste o único que o notou, que notou em mim, ou foste o único que teve coragem suficiente para me por a falar disso. e foste tu que me fizeste dizer que não, que aquela pessoa já não me significava nada e apesar de no início ser mentira depois de eu o ter dito tantas vezes passou a ser a verdade, graças a ti. ainda não tinhas ganho o meu coração e já o tinhas curado. não são precisos amores para curarem corações, e bastou a tua amizade para que eu pudesse sorrir de novo (com vontade!). olhava para ti e via alguém. não me passavas despercebido, nem a tua garra! e por teres passado por tantas diversidades e continuares com esse teu espírito infalível como se nada se tivesse passado, aproveitas sempre a vida ao máximo. és o meu amor, a minha vida, a minha alma e és a minha razão de viver. obrigado por me teres dado esta hipótese, obrigado por me teres deixado conquistar-te e agarrar-te. contigo sei que posso falar sobre tudo, já te contei coisas que poucos sabem, ou melhor, muitos sabem mas que poucos ou ninguém ouviu falar da minha boca e o que me fez ficar alegre de tas ter contado foi que não me olhaste com pena, olhaste-me com a mesma cara de sempre, viste sempre a Adriana. és o meu amor. amo-te tanto, nunca pensei amar assim alguém. lembro-te tão bem a primeira vez que disseste 'amo-te', como poderia esquecer? apesar de não me teres dito cara a cara eu senti que era verdade. é engraçado o facto de eu ter lido a tua sms que dizia somente 'amo-te', numa simplicidade sem igual, numa casa de banho mas o que interessa é que eu estivesse onde estivesse foi como se tudo desaparecesse e eu não visse nem ouvisse mais nada a não ser aquela sms, uma única palavra que me fez borboletas no estômago, que me causou um arrepio e que me aqueceu o coração. uma única palavra, uma sms tão minúscula que não chegava ao limite dos caracteres, mas que meteu ao lado todas as juras de amor que tinha ouvido até ai. empurraste os outros, meteste-os num canto e encheste a minha vida. sem que houvesse lugar para mais ninguém, como se tivesses apagado as minhas lembranças de amores passados para que pudesses enche-las com lembranças tuas. quando te encontrei e estavas na rua sentado e me sentei do teu lado é que me dei conta do que se estava a passar, de que realmente desta vez eu tinha acertado, e na minha mente fiz uma jura. que iria fazer tudo para não te perder, para não perder este amor, a minha maior riqueza. 

2 comentários:

RENATA :'O disse...

obrigada *-*

teresa 8) disse...

gostei muito do texto :D
obrigadaa ;)