1 de julho de 2010

para uma pessoa sem igual

hoje posso pedir-te desculpas? e tu vais aceitá-las? a dor que sinto por ti queima-me por dentro, destrói-me a cada dia que passa. dizes que sim, que me desculpas, entendes-me tanto que até me dói mais. digas o que disseres eu sei que estás ferido, és humano, és espectacular, és alguém que não merecia nem merece as mínimas dores deste mundo, e sei que lá no fundo tu estás ressentido comigo, ou até talvez não seja tão fundo assim, sei que por momentos tu me odeias ... porque é que hoje interrogo-me tanto acerca de ti, sempre tive certezas. tinha uma garantia, que me irias perdoar fosse o que fosse (como quem diz) ás tantas coloquei-te um peso em cima que tu não podias arrecadar! não por seres fraco ou outra coisa qualquer, mas sim porque todo o ser humano tem fraquezas, pontos fracos, e como é óbvio todos os seus momentos mais recatados. podias até dizer-me agora para parar de escrever, que não querias ver as minhas palavras e que o teu perdão eu jamais iria-te ter, isso não me iria fazer parar, mas sim dar-me forças para continuar! para te mostrar que eu não tive assim tanta culpa, e por mais que eu me culpe perante ti no fundo eu sei que a vida é assim, dá voltas. ás vezes para a frente e outras para trás. neste caso acho que o mundo fez um retrocesso e aqui estou eu, sinto-me como se estivesse no inicio desta fantástica corrida que corremos juntos, mas já não sei se estou mais com aquele espírito indomável e com aquela ânsia de correr ao teu lado como tinha à uns meses atrás, não por tua culpa mas sim mas também não por minha. basicamente por culpa da vida, que nos faz destas... faz-nos lutar por coisas que nos parecem inatingíveis e quando as alcançamos parece que a vida tirou-lhe aquele brilho e o porquê de termos suado tanto, por ti eu corri uma maratona, não te esqueças. eu corri-a e não penses que me arrependo, valeu sempre a pena. não vale a pena dizer-te coisas bonitas porque até pode parecer que te estou a tentar dar consolo, mas hoje eu não te vou animar com as palavras mais bonitas e, se tiver de ser, irei-te ferir com as verdadeiras. porque foi isso que sempre pedis-te de mim, a verdade. e eu sempre ta dei, desculpa se alguma vez te enviei a verdade nua e crua fantasiada de qualquer coisa mais adorável, foi porque acima de tudo eu nunca te quis ferir. espero que tenhas noção que lá porque te estou a dizer isto te esteja a dizer adeus, não... só estou a tentar fechar um capítulo do meu livro para que juntos possamos abrir outro. hoje as dúvidas acompanham-me, ando de mãos dadas com ela, mas há uma certeza! que estás SEMPRE no meu coração, e por isso eu amo-te.

1 comentário:

Anónimo disse...

Simplesmente LINDOOO:)