16 de junho de 2010

ando a dizer demasiados "Adeus"!


02:56 da manhã. bebo o meu habitual café e não, o café não me tira o sono! há outras coisas que me tiram o sono, sabem quais? o que me tira realmente o sono é o cinismo, o egocentrismo e o principalmente o egoísmo de alguns que por cá andam. como se fizessem das suas vidas o centro de tudo, que todos nós temos que rodopiar em volta deles, eles tem que ser os nossos deuses. e cá para mim, eu não venero Deus nenhum, porque raio irei venerar alguém tão cheio de defeitos que está quase a rebentar pelas costuras? eu também tenho defeitos. todos nós temos, mas há uma pequena mas gigantesca diferença, eu não obrigo ninguém a aceitá-los e a levar com eles, ás vezes nem eu mesma os aceitei. é esse abismo que há entre nós. é esse abismo que nos separa, e eu sei que tu nunca vais querer construir uma ponte que nós possamos percorrer sempre que nos sentirmos assim distantes... preferes fechar-te assim em sete copas, eu não te condeno por não teres força suficiente para admitires a tua personalidade forte como o ferro e impenetrável como o diamante. é isso que tu és, uma fraca! contraditório não é? com uma personalidade tão forte e no entanto és das pessoas mais fracas que conheço! e hoje às 02:56 quando comecei a escrever este texto ele não era dedicado a ti, e eu sei que nunca o vais ler, os teus olhos já não me querem ver. expulsaste-me da tua vida, criaste barreiras e sinceramente eu não as quero escalar! já foram várias as vezes que o tentaste fazer e eu consegui sempre dar a volta a tudo, consegui sempre fazer-te entender que eu estou do teu lado e que gosto de ti, que me importo se choras ou ris. já foram tantas... tantas que agora as minhas forças estão no limite, e eu pergunto-me se valerá a pena! se me tentaste expulsar tantas vezes foi porque eu não sou assim tão importante. é isso que me deixa verdadeiramente triste. sentir que depois de tudo, depois de tudo eu não consegui ocupar um lugar no teu coração. não consegui que quisesses que eu ficasse, que achasses que o abismo que nos separa é na realidade a razão pela qual nos tenhamos unido tanto uma à outra.
ultimamente tenho dito Adeus a muitas coisas e a várias pessoas, ultimamente não deixo que ninguém me passe por cima, ultimamente tenho assumido um total controlo da minha vida e não me deixo andar por aí como d'antes fazia. aqui te digo Adeus. sei que nos vamos cruzar e mesmo que não o assumas sei que vais-te sempre lembrar de mim, porque tentei sempre construir pontes em vez de buracos. por isso deixo-te ir, é essa a tua vontade. e prefiro deixar-te ir agora com o meu coração cheio de bons sentimentos por ti, a desejar-te o melhor. é essa a única semelhança entre o passado e o presente, o facto de eu sempre ter querido o teu melhor! amiga uma vez, amiga para sempre.

1 comentário:

Carla disse...

Há bem pouco tempo disse um adeus desses. Custa sempre, mas por vezes é o melhor. Sobretudo quando são pessoas que dão importância a coisas que não têm assim tanta quanto isso... **